14.2.05

Aceita-me!

Tenho observado que uma das coisas mais difíceis para nós é aceitarmos as pessoas como elas são. O gajo é do porto e ninguém entende porquê (forçaTiagão), um outro é do P.S para grande indignação de uma parte de seus conhecidos e amigos, um outro tem idéias mais conservadoras e defende uma política de centro direita. Tem gente do benfica, sporting e do porto que participam das mesmas rodas brigando por pagar a conta (uma questão de honra para uns a pior coisa para outros). Enfim, até aqui tudo bem. Mas quando as diferenças passam dessas coisas secundárias, subjectivas para algo mais profundo, afectivo, como um amigo que contraiu sida (aids), alguém de pele escura, pobre, cheirando a cigarro ou álcool que se senta ao nosso lado, um antigo colega de escola que tinha uns jeitos efeminados e que passados alguns anos o encontramos e que nos abraça no meio da rua. Estas coisas podem nos pertubar ao ponto de nos constranger dependendo da situação. Hoje somos mais cautelosos em relação a novas amizades, na verdade muitas de nossas amizades são interesseiras. Fazemos amizades buscando algum retorno alguma vantagem. Não é comum fazermos amizades com pessoas pobres e problemáticas, essas pouco ou nada têm para nos oferecer. Quando conhecemos outra pessoa queremos saber em primeiro lugar o que ela faz, se a profissão não for compatível com o nosso padrão, simplesmente descartamos. Aceitar o outro é mais do que simplesmente dar esmola ou compreender o seu drama. Aceitar o outro é fazê-lo participante da minha roda de amigos. É convidá-lo a ser nosso hóspede. Na Bíblia e para o judeu, a hospitalidade assume importância vital para a construção de famílias e comunidades sadias. Hoje perdemos muito, por que não sabemos mais conversar, de modo aceitar as diferenças como forma de crescimento mútuo ao nível do raciocínio e identificação colectiva. Somos na maioria das vezes alienígenas usando roupa da mesma marca. Creio que um grande desafio é procurarmos ser autênticos, pacientes e esperançosos em relação aos outros, no que diz respeito às suas idéias e posições. Nem todos podem ser do benfica, pois pode ser afinal uma questão de cor. Nem todos podem ser do P.S , pois o símbolo é meio suspeito, nem todos podem ser do porto, pois "dragão" pode sugerir coisa de capeta, nem todos vão com as idéias do C.D.S, por que isso deve ter alguma coisa a ver com xenofobia, racismo, Hitler, essas coisas... Porém, podemos ser mais humanos e esforçados para aceitar e ver os outros do jeito que Deus vê.

4 comentários:

Anônimo disse...

este post foi só para justificares a tua adesão ao CDS?
filipe samuel

Tiagão disse...

Não Filipe, era para falar do grande FCP! DUH!

Anônimo disse...

Vai-te dragonar!!! ó mitológico!
Filipe samuel

Anônimo disse...

Vai-te dragonar!!! ó mitológico!
Devia ser proibido um crente ser do FCP. Tipo quando uma pessoa se baptizasse ficava com um anti-corpo que eliminava qualquer apetência pelo FCP. Ou então, estou cheio do E. Santo, não tenho espaço para o fogo do dragão. Eh, eh!
Filipe samuel

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...