27.1.05

Homossexualidade: que desordem?

Colaboração de Samuel Nunes
“Semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro” (Romanos 1:27).

Há ditados populares que são um autêntico desastre, como por exemplo “Quanto mais me bates, mais gosto de ti”. Outros são muito cinematográficos, como este: “Não é com vinagre que se apanham moscas”. Outros têm um sabor doméstico, “Entre marido e mulher ninguém meta a colher”. Há uns muito próprios do universo feminino. “As mulheres quando se juntam a falar da vida alheia, começam na lua nova e acabam na lua cheia”.

Todavia, o versículo que dá o pontapé de saída para este texto faz lembrar um ditado popular cheio de sabedoria: “Quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga”. A passagem do primeiro capítulo de Romanos, do versículo 23 a 28, aplica este princípio elementar do “cabeça que não tem juízo, corpo é que paga”. O raciocínio tem basicamente três passos:
(1) Os seres humanos trocam Deus por aquilo que Deus fez – preferimos a criatura ao Criador.
(2) Deus entrega-nos às nossas preferências – são removidas as barreiras divinas que nos preservam.
(3) Manifestamos fisicamente a nossa realidade espiritual – transferimos para o exterior, através do nosso corpo, os desejos interiores perversos.
Esta é a sequência do “cabeça não tem juízo, corpo é que paga”. E, na realidade, este raciocínio é desenvolvido por Paulo, três vezes, neste trecho. Vejamos:

Primeira sequência (v. 23-24):

Passo 1: “mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível” (v. 23a). Ou seja, o Homem prefere honrar a criatura, a glorificar a Deus.
Passo 2: “por isso, Deus entregou tais homens à imundícia” (v.24a). Deus deixa o Homem seguir o caminho perverso que escolheu, sem impedi-lo.
Passo 3: “para desonrarem o seu corpo entre si” (v. 24b). Como resultado da sua preferência em honrar mais a criatura do que Deus, e tendo Deus entregue o Homem à sua escolha, então os seus corpos desordenados praticam a desonra. Assim, a perversão física é fruto das preferências do Homem. O provérbio revela-se certeiro: “quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga”.

Segunda sequência (v. 25-27):

Passo 1: “mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador” (v. 25). Entra sorrateiro o relativismo. O ser humano deseja mais a mentira do que a verdade. Prefere adorar a imagem, e rejeita o original e a fonte de tudo.
Passo 2: “por causa disso, Deus os entregou a paixões infames” (v. 26a). Temos aqui uma quase repetição do v. 24a. Diante da vontade manifesta do Homem, Deus retira qualquer tipo de restrição moral, e o corpo do Homem anda à rédea solta.
Passo 3: “porque até as mulheres mudaram o modo natural das suas relações íntimas por outro, contrário à sua natureza” (v. 26); “semelhantemente, os homens deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade” (v. 27). Fica então claro que a desonra do corpo de que Paulo falara no v. 24b, tem a ver com comportamento homossexual. Na primeira sequência ele enuncia uma lei genérica, e nesta segunda sequência ele faz a aplicação prática. A conclusão é líquida: a desordem sexual (entre outras situações) resulta do Homem trocar a verdade de Deus pela mentira. Este relativismo moral, é sancionado por Deus através de comportamentos homossexuais. Posto doutra forma, o corpo sofre duramente as confusões geradas na cabeça (no íntimo).

Terceira sequência
(v. 28):

Passo 1: “desprezaram o conhecimento de Deus” (v. 28a, Simplesmente escorraçam Deus da sua mente.
Passo 2:Deus os entregou a uma disposição mental reprovável” (v. 28b). A mente já não tem qualquer testemunho de Deus; anda à deriva.
Passo 3: “para praticarem coisas inconvenientes” (v. 28c). Mais uma vez o ditado aplica-se: “quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga”.

Sem dúvida que estes são versículos demolidores. Paulo fala assim porque a homossexualidade transpõe para o teatro da vida a nossa desordem espiritual. O Homem rebelou-se contra as condutas desenhadas por Deus, por isso é escravo dos seus desejos desordenados.

Por que homossexualidade revela desordem espiritual?

O texto de Efésios 5:31-32 é luminoso ao afirmar que desde o princípio, o homem e a mulher existem para representar a relação íntima entre Deus e o Seu povo, mais tarde traduzida para a relação entre Cristo e a Igreja, a Noiva. Neste quadro o homem representa Deus ou Cristo e deve amar a sua esposa como Cristo ama a Igreja. E a mulher representa o povo e a Igreja. A união matrimonial do “dois numa só carne” representa a comunicação pura entre Deus e o Homem. Deus planeou que a beleza da sua relação com a humanidade fosse manifestada na união sexual entre homem e mulher.

Mas, a humanidade deturpou a beleza do plano Divino. Trocou a glória de Deus por imagens, especialmente de si própria. Introduziu demasiado ruído na comunicação, ao ponto de cortar a linha. Assim, a quebra de relacionamento com Deus é encenada pela desordem sexual que existe entre os seres humanos. A relação homem/ mulher revela a ordem espiritual que havia. Uma relação homem/ homem, ou mulher/ mulher manifesta uma desordem espiritual. A homossexualidade é a forma mais vívida desta decadência. Quando o Homem prefere as imagens em vez de Deus, quando prefere a mentira em vez da verdade, Deus entrega-o àquilo que escolheu e isso revela-se no facto de macho e fêmea virarem-se para imagens de si mesmos, pessoas do mesmo sexo.

Só a homossexualidade é que revela desordem espiritual?

Não! Mil vezes não! A raiz de toda a desordem (moral, sexual, social e emocional) resulta da troca da glória devida a Deus, pela adoração das “coisas” criadas por Deus. Todo o sistema solar da nossa vida foi feito para orbitar à volta de Deus. No entanto, a humanidade fabricou satélites substitutos que não têm gravidade e que não seguram nada na sua órbita. Daí a decadência do mundo e a espiral de destruição em que se lançou. E consequentemente colhe o fruto dessa desordem espiritual. Depois de ser entregue por Deus a uma “disposição mental reprovável” (v. 28), são detalhadas 21 acções negativas da mente sem Deus (v. 29-31). E aqui ninguém fica imune. Homossexuais, heterossexuais, macho, fêmea, crente, ateu, iluminado, ignorante ... “não há um justo nem um sequer” (Rom 3:10).

Será genética a homossexualidade?

Mesmo que seja! E daí?! Todos somos concebidos em pecado, e a natureza está “sujeita à futilidade”, esperando ser “redimida do cativeiro da sua corrupção” (Rom 8:20-21). E “toda a criação geme com dores de parto” e nós também gememos, “esperando a redenção do nosso corpo” (Rom 8:22-23). Existe agora, a esperança de cura parcial (das nossas desordens sexuais), que é apenas o indício duma cura integral no futuro. Portanto, num mundo natural corrompido, as coisas não funcionam como foram originalmente criadas. Fogos, ventos, climas, vulcões, tremores de terra, bactérias, cancros, quedas de avião, más formações no cromossoma 21, ataques cardíacos ... Qualquer que seja a origem da desordem homossexual da nossa sexualidade, nada poderia definir essa inversão como “natural” ou “normal”. Num mundo em que Deus é o Desenhador da vida, “natural” significa estar em sintonia com os propósitos de Deus. O facto dum fenómeno ter origem natural, não o torna correcto ou justo. Há pessoas com tendências naturalmente agressivas, e nem por isso concordamos com elas. Há tendências frenéticas que levam ao esgotamento nervoso. Um músico naturalmente melancólico poderá suicidar-se, mas nós lamentamos o facto, não o elogiamos. A ansiedade natural leva à paranóia. Desejos sexuais naturalmente fortes conduzem à pornografia e ao vício sexual, e não achamos que isso seja saudável.

Por outras palavras, num mundo onde os efeitos do pecado encharcam as raízes naturais e desorganizam toda a vida, não podemos achar como “normal” tudo o que tenha origem na natureza (humana e meio-ambiente). Terá de haver um padrão de conduta acima da natureza caída. E dado por alguém não contaminado - Deus!

Samuel Nunes



Um comentário:

Pallas Lovestain disse...

Infelizmente após ler seu texto sobre as origens do paganismo esperava mais de você, meu caro.
Como os teólogos do passado você se limita a extrair pedaços do livro sagrado, denotando falta de originalidade, pois procura o que foi dito e dá-lhe uma versão mais explanada sobre o tema.
Fiquei deveras triste com a decadência em suas opiniões, ministradas agora sobre a corrente do que foi escrito no livro sagrado cristão.
É algo compreensível, uma vez que desde a descoberta da escrita, nós, humanos, valorizamos aquilo que está escrito, ainda mais quando foi escrito há muito tempo. Temos receio de confrontar nossas ideias sob o temor de sermos apedrejados.
Contudo, sabendo de seu potencial, esperava mais. Então deixo uma pequena dica com você, seja um bardo e cante as palavras de forma que eles penetrem cada vez mais fundo naqueles que leem, sendo assim você pode ludibriar muitos com suas belas palavras.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...